Vivam as Fraldas Descartáveis!!!


A primeira coisa que começou a fazer parte do meu mundo logo que resolvi me especializar em pediatria foram as fraldas... Não exatamente elas, mas os temas que envolviam o assunto fralda.

Veja bem: fui criada em fraldas de pano, com alfinete e tudo! E o encantamento com que a minha mãe me falava das fraldas descartáveis era mesmo interessante.

Pois bem! Nem pensar em fraldas de pano, certo?

Mas temos diversos tipos de fralda no mercado, em diversos preços, formatos, marcas, materiais... Como escolher?

Bem! Geralmente escolhemos aquelas que ganhamos no chá-de-bebê.... E geralmente está bom assim, mas, mais cedo ou mais tarde, a gente vai aprendendo o que é melhor.

Conselhos?

Apenas alguns pra você não ficar na mão, ok?

Sem dúvida nenhuma, a melhor fralda é aquela que segura bem o xixi e o cocô, não aperta nem machuca o seu bebê, não dá assaduras ou dermatites e de preferência, que venha num bom preço.

Então, a fralda que sua amiga usa no bebê dela não necessariamente vai servir pro seu bebê, mas talvez seja uma boa dica!

Escolha fraldas de textura macia e de preferência "ventiláveis", pois estas oferecem menor risco de deixar o bumbum do bebê abafado e com maior risco para dermatites.

Quando experimentar uma marca ou modelo novo, comece apenas com 1 pacote com a menor quantidade possível de fraldas: se não der certo, você não desperdiçou muita coisa (exatamente por esse motivo acho muito complicado ganhar um monte de fraldas da mesma marca no chá-de-bebê).

Ao escolher o tamanho, obedeça a indicação da embalagem: é diferente da numeração de roupas onde o número não combina com a idade da criança.  😊

Observe como o bebê se comporta com a nova fralda e fique atenta para ver se a fralda não está apertando as perninhas ou marcando algum local de contato. (coisa de mãe, né?)

Mas a dica mais importante que eu poderia dizer:

EVITE OS LENÇOS UMEDECIDOS...

São excelentes pra deixar na bolsa do bebê, para serem usados quando saímos de casa, pois estão sempre à mão... E só!

Em casa, opte pela boa e velha garrafa térmica com água morna e algodão.

(se preferirem lavar o bebê na pia, com água "quentinha" - como um banho da cintura pra baixo - também é muito bom!).

Lembrem-se que o algodão seco e limpo deve ser molhado na água morna e usado SEMPRE na direção do genital (pipi ou pepé) para o bumbum, de cima pra baixo, sem repetir o procedimento com o mesmo algodão.

A ordem aqui é não permitir que o cocô entre em contato com o genital - já basta o período em que ficou antes da troca da fralda. Essa dica é valiosa, principalmente se você for mãe de meninas pois essa contaminação pode causar as famosas infecções do trato urinário.

Depois de bem limpinho, seque bem o bumbum e aplique uma boa pomada de assadura.

Outra dica bem legal é usar amido de milho (como se fosse talco, sabe?), mas com o cuidado de não deixar o bebê respirar o pó, e, para que funcione, o bumbum deve estar sempre sequinho, limpinho e sem qualquer lesão!

Para quem usa pomadas: não economize! Elas existem para promover uma barreira entre a pele e o xixi (ou cocô); então, faça uma boa camada nas áreas que ficarão em maior contato dentro da fralda.

Na hora de limpar, você perceberá que nem sempre é possível retirar TODA a pomada, mas tudo bem: não precisa ficar esfregando demais! Tire o máximo que for possível, sem machucar a pele do bebê e siga secando e aplicando uma nova camada.

Para evitar as terríveis assaduras/dermatites, procure trocar as fraldas do bebê sempre que estiverem sujas ou a cada 3 horas... Durante a noite, opte pelas fraldas noturnas, para que você e seu filhote consigam dormir um tempinho maior.

Vamos conversar mais sobre isso? Comentem!